O papel e o protagonismo da sociedade civil no enfrentamento da pandemia da Covid-19 no Brasil 

expandindo.png

2021

Este estudo faz uma análise da trajetória da sociedade civil e da filantropia brasileira a partir dos anos 1980, fundamental para compreender dinâmicas e tendências que deem sustentação a uma das teses desenvolvidas ao longo do trabalho: a sociedade civil como um setor estratégico no processo de consolidação da democracia brasileira. As organizações da sociedade civil (OSC) sofreram, nos últimos anos, inúmeros ataques reputacionais e enfrentarem desafios no que diz respeito à sua sustentabilidade política e financeira. Frente à crise da Covid-19, buscaram não apenas contestar a necropolítica e o negacionismo predominante por meio da construção de agendas políticas e da articulação em redes, mas também gerar respostas, a partir do desenvolvimento de um conjunto de práticas e experiências baseadas em autogestão e organização comunitária. A partir de um estudo de casos múltiplos, com instituições selecionadas por critérios estabelecidos, observou-se que as OSC foram capazes de construir agendas, narrativas, linguagens e formas de produção e organização baseadas na autogestão, experiências fundamentadas numa dinâmica social onde o trabalho e a política tendem a coincidir, formando parte de um processo que envolve, ao mesmo tempo, a organização da luta e da produção. Encontraram formas autônomas de dar respostas inovadoras à crise, articulando atores, territórios e comunidades, iniciativas e recursos, e buscando soluções que envolveram desde a distribuição de cestas básicas até a condução de campanhas de informação e de ajuda humanitária, além de instalarem estratégias inovadoras de luta e resistência, frente a um cenário adverso.
Este artigo integra a série Estudos Emergência Covid (https://cutt.ly/ineNpyG), que publica reflexões e análises de pesquisadores brasileiros de diferentes áreas do saber com o objetivo de estimular, ampliar e disseminar a produção de conhecimento qualificado sobre os impactos da pandemia no campo da filantropia, do investimento social privado e das organizações da sociedade civil no Brasil.