Resultados e impacto coletivo do Programa de Apoio

Por Graciela Hopstein


O Programa de Apoio foi significativo para as organizações membros na medida em que contribuiu para fortalecer a atuação em rede e a troca entre pares, promovendo o compartilhamento de experiências e este é, sem dúvida, um dos principais resultados alcançados.


Implementado entre os anos 2020 e 2021, o Programa de Apoio às organizações membros da Rede de Filantropia para a Justiça Social, teve apoio da Inter-American Foundation (IAF), e esteve voltado ao fortalecimento dos associados enquanto integrantes da Rede, buscando promover a troca de experiências e aprendizados e a articulação de parcerias. Esta iniciativa foi desenvolvida no contexto do Programa de Fortalecimento da Rede, envolvendo ações de desenvolvimento de capacidades a partir da realização de encontros e oficinas em formato online.


Levando em conta o papel destacado que os membros da Rede tiveram no contexto da pandemia junto a organizações, grupos e movimentos da sociedade civil, as iniciativas apoiadas estiveram voltadas ao enfrentamento da COVID-19 nas seguintes linhas de atuação:


  • Criação de fundos e linhas de apoio emergenciais para o enfrentamento ao COVID-19: doação de recursos para organizações, movimentos e grupos de base que estão realizando ações diretas (projetos)

  • Mobilização comunitária e campanhas de doação: mobilização de atores, doadores e recursos para a realização de ações diretas (projetos);

  • Campanhas de comunicação, informação e produção de conhecimento: campanhas informativas, portais de notícias, organização de informações e produção de conhecimento nessa temática (projetos).


É importante destacar que para o desenvolvimento das iniciativas, a Rede doou de forma direta para as organizações membros um montante de R$ 207 mil reais (23 mil reais para cada iniciativa, nove em total) para execução de projetos que tiveram duração entre seis e nove meses (conheça aqui as iniciativas apoiadas).


Com relação aos resultados alcançados, de acordo com as informações levantadas a partir dos relatórios, o número de pessoas impactadas diretamente pelo Programa foi de 2.953.212 e 3.971.679 de forma indireta. Esses números são certamente expressivos e esse alcance está relacionado ao tipo de atividade desenvolvida já que a realização de lives e podcasts foram ações destacadas no contexto do Programa, envolvendo uma diversidade importante de públicos.


Também os recursos financeiros mobilizados foram significativos com relação aos resultados alcançados já que foram investidos R$203.862,50 como contrapartidas institucionais por parte das organizações membros, indicando que o Programa teve um impacto coletivo relevante em termos de públicos envolvidos e recursos investidos, considerando que o valor total executado no contexto do Programa foi de R$ 410.862,50. Mas para além dos números, os projetos executados foram relevantes também para alcançar resultados no que diz respeito à fidelização de doadores e para a criação de campanhas.


O fortalecimento da visibilidade institucional; o apoio ao desenvolvimento de novas metodologias e tecnologias sociais – de mobilização de recursos, de incidência, de grantmaking, de monitoramento e avaliação, de desenvolvimento territorial, inclusive com tecnologias tais como bancos comunitários e moeda social - , a valorização de recursos, saberes e lideranças locais foram relevantes em termos dos resultados alcançados.


O Programa contribuiu para o fortalecimento de filantropia comunitária, entendida como uma forma de atuação voltada para o desenvolvimento de recursos, talentos, capacidades e confiança nos atores locais e nas comunidades de atuação.


Importantes aprendizados foram produzidos no que tange a mobilização territorial, a atuação em rede e a sistematização de experiências e intercâmbio entre organizações. As estratégias de comunicação comunitária, participativa e de alto alcance (podcasts, lives, rádio comunitária, webinários, redes sociais, vídeos), bem como a aquisição de infraestrutura (como legado disponibilizado para as comunidades) também foram resultados destacados que contribuem para a construção de narrativas no campo da filantropia comunitária e da justiça social.


De acordo com os depoimentos levantados pelos/as coordenadores/as das iniciativas:


“O projeto proporcionou aos membros da Rede oportunidades de trocas e motivou a ação conjunta. Também possibilitou uma leitura ainda mais profunda sobre as diferentes perspectivas presentes no campo na filantropia de justiça social.”


“O Programa de Apoio da Rede de Filantropia trouxe, sobretudo, a possibilidade de encontro e contato com outras instituições, de todo país, trabalhando com a mesma temática envolvendo a Covid-19 em frentes distintas e nos apresentando soluções inovadoras”.


A articulação no campo da comunicação e a sua interface como a mobilização de recursos também representou uma ação relevante no âmbito do impacto coletivo: “Estes momentos de interação com outros comunicadores da Rede de Filantropia para Justiça Social foram essenciais para proporcionar um aprendizado coletivo de qualidade. Durante estes encontros, buscamos juntos por soluções que contribuíssem para a estruturação de uma campanha de fidelização de doadores que efetivamente funcionasse. Pudemos ampliar nosso repertório de estratégias sobre o assunto e direcionar nossas pesquisas e atividades para um melhor desempenho relacionado à retenção destes doadores.”


Concebido como um piloto, a experiência de apoio trouxe diversas reflexões sobre os caminhos a seguir já que o foco de atuação da Rede a partir de 2021 – no contexto do Programa Doar para Transformar - estará colocado no Programa de Incidência e nesse contexto as ações estarão voltadas para a instalação de comunidades de práticas e o fortalecimento de agendas no campo da filantropia comunitária e de justiça social.


Graciela Hopstein é Coordenadora executiva da Rede de Filantropia para a Justiça Social.

27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo