• Rede

Rede de Filantropia completa 10 anos

Em 2022, a Rede de Filantropia para a Justiça Social (RFJS) completa dez anos de atuação e prevê a realização de uma série de atividades comemorativas ao longo do ano.


A RFJS promoverá um conjunto de atividades - eventos, campanhas, debates, etc - sobre a temática de filantropia comunitária e de justiça social e realizará um mapeamento de fundos temáticos e comunitários independentes no Brasil que doam para a sociedade civil através de estratégias diversificadas de grantmaking , com intenção de contar com um diagnóstico desse ecossistema e possivelmente ampliar a quantidade de organizações membros.


A produção de conhecimento e a troca de experiência continuam em 2022 com as atividades desenvolvidas nas comunidades de práticas da Rede. Estratégias e produtos de comunicação para ampliação da doação de recursos também serão desenvolvidos e divulgados ao longo de 2022.


Depoimentos de pessoas ligadas à fundação e história da RFJS serão compartilhados em nossos canais de comunicação, assim como informações sobre projetos e produtos viabilizados pelo Programa de Apoio em parceria com as organizações que integram a Rede.


A ampliação de parcerias com o ecossistema filantrópico, seja na realização de projetos e eventos, ou mesmo em ações envolvendo advocacy com vistas a ampliar as doações para organizações que trabalham com justiça social e direitos humanos, tem sido uma das articulações da Rede e deve se amplificar em 2022.


Ao longo de sua trajetória, desde sua formação no ano de 2012, a Rede vem se afirmando com um espaço de articulação de organizações que atuam no campo da filantropia comunitária e de justiça social, propiciando trocas de experiências e aprendizados, desenvolvimento de ações conjuntas e diálogo com diversos atores.


“Ainda temos muitos desafios, acredito que a Rede ainda tem muito a crescer, incorporar mais membros, pois a quantidade também faz a qualidade. Quanto mais membros, mais vamos conseguir que seja um espaço reconhecido no ecossistema filantrópico. E também que as organizações doadoras, que nós ainda nem sabemos quem são ao todo, reconheçam na Rede um espaço de troca, de pertencimento, um espaço para firmar determinadas agendas”, analisa a coordenadora executiva da RFJS, Graciela Hopstein.


“Espero que os 10 anos tragam bastante fôlego, inclusive para o reposicionamento da marca, que já está dialogando com essa dinâmica de posicionamento no ecossistema filantrópico e que envolve um trabalho muito forte na área de comunicação. O contexto do cenário político eleitoral em 2022 irá trazer as agendas identitárias, e a Rede tem um potencial enorme para conduzir este tipo de debates. A partir dos 10 anos, “o marco” será traçar os caminhos, e acredito que a Rede já está encontrando dinâmicas próprias para se reafirmar um ator relevante no ecossistema filantrópico nacional e internacional.”, pontua a coordenadora.


A trajetória da Rede em uma década

Os primeiros seis anos da organização foram constituídos de um período de estruturação.


Graciela Hopstein destaca que, no início, a Rede se dedicou muito à sua estruturação e ao processo de criação de sua presença no campo e, nos últimos anos, grandes passos foram dados, especialmente porque a organização conquistou financiamentos importantes, além de ter começado a fazer um trabalho relevante no ecossistema filantrópico brasileiro e também junto aos seus associados.


“Inicialmente, a Rede tentava se aproximar de financiadores, parceiros e de organizações relevantes, e agora estamos vendo um caminho inverso, estamos sendo procurados porque estão reconhecendo este espaço como importante para reflexão e promoção de agendas,” diz Graciela.


Desde então, a Rede vem colaborando, por meio de diferentes atividades e do desenvolvimento das iniciativas da área de programática, para o fortalecimento das organizações membros através da promoção de espaços de aprendizado mútuo e de treinamentos em temas de relevância para agendas de interesse comum.


Os anos de 2018 a 2020 foram fundamentais para consolidação, articulação com diferentes atores do campo e fortalecimento institucional. A Rede foi reconhecida como um ator relevante no campo da filantropia brasileira e internacional, e seis novos membros contribuíram para o enriquecimento institucional.


Diferentes atividades e publicações lançadas no período instituíram esses marcos, como Filantropia de justiça social, sociedade civil e movimentos sociais no Brasil - organizada por Graciela Hopstein, que reúne uma série de artigos produzidos por integrantes das organizações membros -, o seminário realizado em parceria com o GIFE Expandindo e Fortalecendo a Filantropia Comunitária no Brasil; o desenvolvimento dos programas de Fortalecimento de Capacidades e de Apoio, com a parceria da Inter-American Foundation (IAF) e da Porticus, após a reestruturação da área programática; e o Programa Doar para Transformar (Giving For Change), projeto com o apoio da cooperação holandesa que ampliou o alcance internacional da Rede e contribuiu para o fortalecimento e promoção do trabalho institucional.

“Foi uma virada relevante trabalhar reestruturando a área programática da Rede, articulando com os membros, e parceiros (…) estamos olhando para os membros, fazendo um trabalho coletivo e em rede, para poder impactar de forma conjunta o ecossistema filantrópico com as agendas que a Rede traz de filantropia comunitária e de justiça social”, afirma Graciela.


E o trabalho continua. Este ano a Rede aguarda grandes desafios, crescimento institucional e momentos de planejamento do futuro com os 10 anos completos.

Acompanhe nossas redes sociais para acessar em primeira mão as novidades da Rede nas comemorações de seus dez anos de atuação!


23 visualizações0 comentário