O impacto da pandemia nas organizações sociais brasileiras

Atualizado: Set 21

O impacto da pandemia nas organizações sociais brasileiras: como enfrentar a situação de crise no cenário presente e futuro?


Por Milena Carneiro*

No mês de agosto, a Mobiliza juntamente com a Reos Partners e parceiros estratégicos do setor filantrópico lançaram o relatório completo do estudo “Impacto da COVID-19 nas OSCs brasileiras: da resposta imediata à resiliência”. 

O estudo buscou compreender qual o impacto da COVID-19 nas organizações da sociedade civil brasileiras e de que forma o setor planejou o desenvolvimento de ações e se preparou (ou está se preparando) para enfrentar o cenário pós-crise. Para isso, foi elaborado um questionário destinado às organizações da sociedade civil, a partir do qual  foram recebidas 1760 respostas válidas, sendo 34% da área de assistência social, 21% que não possuem previsão orçamentária anual e 21% que possuem previsão orçamentária anual de até R$100 mil. Foram computadas respostas de todas as regiões brasileiras.

Em relação ao impacto da COVID-19 nas atividades das OSCs, a maior parte das organizações relatou que foram impactadas e a crise as enfraqueceu de forma significativa, tendo como o principal impacto negativo a diminuição de captação de recursos.


Apesar disso, 87% das organizações estão oferecendo atendimento em ações relacionadas à COVID-19. A principal ação das OSCs consiste na distribuição de alimentos e/ou produtos de higiene para públicos que já eram atendidos. Além disso, quase metade das OSCs contempladas no estudo se adaptaram para continuar atendendo o público de forma remota. Com o considerável impacto na saúde financeira das OSCs, 65% prevêm reduções de atendimento num futuro próximo.



No entanto, também é esperado um aumento significativo na demanda de serviços prestados pelas OSCs às populações em período pós-pandemia. Para as organizações, as principais necessidades para lidar com os efeitos da pandemia são recursos financeiros e engajamento da sociedade civil no apoio de suas ações. Quase metade das OSCs informaram que têm orçamento disponível para operar no máximo por mais 3 meses.



Esses são alguns dos dados do estudo, vários outros pontos foram levantados e discutidos na versão completa do relatório. Você pode conferir o estudo completo clicando aqui.


O trabalho contou com o financiamento do Instituo Sabin, Fundação Tide Setúbal, Laudes Foundation, Instituto ACP, Instituto Humanize, Instituto Ibirapitanga e Ambev. Integram o comitê estratégico da pesquisa:  GIFE, ABCR, Ponte a Ponte, Prosas, Move Social, Nossa Causa, Arredondar, Instituto Filantropia e Rede de Filantropia para a Justiça Social. A Move Social atuou como parceiro técnico da pesquisa e o Because no desenvolvimento da identidade visual e dos materiais de comunicação.


* Milena Carneiro é assessora de dados e tecnologia da Rede de Filantropia para a Justiça Social.

  • Facebook - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco

O trabalho Rede de Filantropia para a Justiça Social está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição Não-Comercial 4.0 Internacional. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em www.redefilantropia.org.br