Encontro na Baixada Maranhense discute Filantropia Comunitária diretamente no território

Evento de três dias reuniu apoiadores, financiadores, voluntários e profissionais da Fundação Baixada para vivenciar e debater a filantropia comunitária junto aos baixadeiros.


Por Camila Guedes



Baixadeiro é o título daqueles que nasceram na Baixada Maranhense, possuem os saberes do território e se articulam para seu desenvolvimento. Nada poderia ser mais potente do que conhecer e entender a comunidade a partir do olhar das pessoas que ali vivem e compartilham suas experiências.


Entre os dias 27 e 29 de setembro, a Rede Comuá esteve presente no Maranhão no encontro “Filantropia e Desenvolvimento Comunitário – *Embaixadeiros Compartilhando Saberes” uma iniciativa da Fundação Comunitária Baixad, membro da Rede que atua em vinte um municípios do território da Baixada Maranhense. O evento teve o objetivo de fortalecer a cultura da filantropia local.

*Embaixadeiro é a forma como a Fundação Baixada denomina pessoas que apoiam a organização.


“Viver a comunidade é como um combustível para transformá-la.” é assim que define a importância do evento Diane Pereira Sousa, presidenta da Fundação Baixada. A agenda do encontro esteve repleta de uma série de atividades e experiências nas quais foi possível vivenciar o dia a dia da comunidade de dentro para fora, compreendendo suas demandas “Quando a gente pensa em filantropia comunitária, em como as pessoas conseguem se relacionar para transformar o seu próprio território, como as pessoas conseguem construir a ideia, o sonho de transformação do seu próprio território, não haveria outra forma de pensar em um encontro de filantropia se não fosse por dentro daquilo de quem faz filantropia no chão, a transformação”, Equipe da Fundação Baixada e Camila Guedes, assessora de comunicação da Rede Comuá.

pontua Diane.



Entre visitas aos quilombos de Itamatatiua, do Cajual e outras comunidades que possuem projetos apoiados pela Fundação, foi possível ver de perto como a Baixada é uma região com profundas potencialidades, onde a filantropia acontece de forma ancestral, e que possui diferentes frentes de atuação a serem exploradas para o desenvolvimento local.

Para Diane, o contato com o território é fundamental: "É essencial pra gente, um elemento fundante, conseguir pensar em como nós conseguimos dialogar sobre filantropia estando em um território onde a filantropia acontece. É muito importante pra gente reunir todo mundo que a gente reuniu, organizações parceiras, redes que fazemos parte, financiadores, professores, profissionais, equipes, empresas, para conhecer o território, para conversar sobre o território sentindo e pisando no chão do território. Nós sempre adotamos essa estratégia porque é mais fácil você entender como funciona a baixada se você estiver aqui, vivendo o dia a dia de quem tá na baixada, atravessando os portais que a Baixada tem, Centro de produção do Quilombo de Itamatatiua

para dentro do seu chão.”


Encontro de Filantropia Comunitária Fundação Baixada - Foto: Fundação Baixada


A partir do encontro, a Fundação Baixada pretende fortalecer os laços com os atores com os quais já possui articulação, visando potencializar e ampliar sua capacidade de atuação “A gente entende que, para que o desenvolvimento aconteça -e aqui eu estou falando do pequeno desenvolvimento, não dessa coisa imensa do desenvolvimento de um milhão para um, eu estou falando de um para milhões - é importante rede, recurso financeiro, ideais e pessoas. Nossa expectativa gira em torno disso: de como a gente se fortalece com as redes que nós temos, de como a gente consegue ampliar a possibilidade de captação e, sobretudo, como conseguimos mobilizar outras pessoas para serem parte interessada, apoiadores ou mesmo voluntários do trabalho.”

30 visualizações0 comentário