Edital Mulheres em Movimento 2019
qua., 10 de jul. | http://fundosocialelas.org/mulheres-em-movi

Edital Mulheres em Movimento 2019

A inscrição está fechada

Datas e prazos

10 de jul. de 2019 19:00
http://fundosocialelas.org/mulheres-em-movi

Sobre

O Fundo ELAS e parceiras lançam o novo edital Mulheres em Movimento, resultado de uma grande aliança em defesa dos direitos das mulheres formada com British Council, ONU Mulheres, Global Fund for Women e Fundação Ford e outros parceiros. O Edital Mulheres em Movimento 2019 vai apoiar projetos de grupos de mulheres e LBT de todo o Brasil com enfoque na mobilização para a defesa de direitos, formação, ação coletiva e criação de alianças internacionais, intergeracionais e intermovimentos. Fortalecendo as mulheres e ampliando alianças O Edital 2019 é mais um importante passo do programa Mulheres em Movimento, que foi lançado em 2017 e já apoiou 23 projetos, alcançando mais de 13 mil beneficiárias diretas, mais de 71 mil beneficiárias indiretas e propiciando 119 parcerias cross-movements (intermovimentos) e 79 parcerias cross-countries (entre países). O programa fortalece institucionalmente os grupos e organizações por meio de apoio financeiro, capacitação, acompanhamento de seus projetos e desenvolvimento de redes.  Promove os Diálogos Mulheres em Movimento, encontros internacionais que reúnem lideranças para debater o contexto da luta por direitos e traçar estratégias conjuntas para a agenda de movimentos liderados por mulheres e LBT.  Investe em intercâmbios globais, fomentando alianças entre grupos e redes do Brasil, de outros países da América Latina e do Reino Unido, e a articulação de diferentes segmentos dos movimentos feministas e de mulheres – como mulheres negras, indígenas, quilombolas, trabalhadoras domésticas, lésbicas, bissexuais e trans, mulheres com deficiência –, assim como com outras lutas por direitos, como a luta por moradia, por direitos trabalhistas, por direito à cidade, por uma vida sem violência etc.   Além disso, o Edital 2019 avança ao incluir como prioridade o apoio a grupos que enfrentam retrocessos e desafios em seus campos de atuação. É o caso das mulheres jovens, das pessoas LBT e das mulheres que vivem com HIV/Aids, que lidam com estigmas e com o avanço da epidemia especialmente entre mulheres jovens.

Compartilhe